Desafio Literário Origins

Ir em baixo

Desafio Literário Origins

Mensagem por isaac-sky em Sex Abr 24, 2015 4:00 pm

A Sociedade, orgulhosamente apresenta um novo desafio aos escritores do fórum:

Costumamos escrever na zona de conforto, sobre coisas e gêneros que conhecemos e já estamos familiarizados.
Mas ás vezes é preciso virar a mesa, jogar todos os pratos no chão no processo e nos reinventar.

Aprender.

A cada semana, toda sexta-feira, será publicado um novo desafio literário com um novo tema (ou imagem, ou ambos) e o desafio anterior será fechado.
Vocês terão uma semana, até a sexta-feira seguinte, para desenvolver um conto baseado no tema escolhido.

Nosso primeiro tema foi selecionado aleatoriamente pela Aleleh:


"Art Noveau"


Escrevam! O exercício aqui é trazer um conteúdo até a deadline. SO IT BEGINS.






Oi, meu nome é isaac

"Kurayami nara kocchi no mon da"
"A escuridão é minha vantagem"
Zatoichi
avatar
isaac-sky
Guarda Real

Data de inscrição : 21/10/2011
Idade : 24
Localização : Entre Nárnia e a Terra Média
Emprego/lazer : Dominar o mundo/ RPG/ SKA

O que sou
Raça: Humano
Classe: Ninja

http://www.skyisaac.wordpress.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Desafio Literário Origins

Mensagem por ritter em Sex Abr 24, 2015 4:04 pm

Wohoo! Bora, sociedade!


" A juventude envelhece, a imaturidade é superada, a ignorância pode ser educada, a embriaguez passa... porém, a estupidez é eterna, Pettri."  Mordekaisen



[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
avatar
ritter
Iniciante

Data de inscrição : 23/06/2014
Idade : 24
Localização : Brasil, São Paulo

O que sou
Raça: Humano
Classe: Plebeu

Voltar ao Topo Ir em baixo

Texto ao estilo Nouveau

Mensagem por Yoru em Ter Abr 28, 2015 9:39 pm

Em 1890 temos uma arte nova
Arte francesa,
de teto, parede e chão
em quadro, folha e tela
de mesa a cadeira.

Com verde se faz planta e grama,
também limo e limão.
Por azul faz-se céu e mar,
ainda há no olhar e na flor de violeta.
Roxo é o suco do fruto
e o entendimento de espírito,
outrossim o vestido
e há quem queira violeta outra vez
ou todos de uma vez.

Neste tempo de novidade,
artista é quem disso pinta,
faz bordado, entalhe e moldura.
Seja para construtor,
decorador e pintor,
se não for não é artista.

Vidro cristalino vira dama
de delicadeza translúcida,
mulher macia surge de madeira
da copa a raiz,
cimento concretiza beleza
sem ficar sequer com pouca cor.
Mas o feminino
geralmente vem do branco pintado.

Sendo escritor, disso nada sei
Só sei de papel que realiza palavra.

No movimento me envolvi,
dessa arte quis saber
mesmo depois da descoberta
de que a mim não servia.
Persegui a inovação,
tentei trazer a letra
e fiquei decepcionado.
Linhas em movimento
rápidas demais ao meu talento.

Com nouveau
o industrial vai a voga,
moda do burguês.

Fez-se, inclusive, exposição.
Espaço de arte
dedicado ao art nouveau,
que nem convite participativo ganhei.
Ou visita de contemplação,
para este coração trazer calmaria.

Artista não me consideram.

O nouveau valoriza
a expressão dos sentimentos
a despeito doutros movimentos.
Dá valor a lógica
e ao conhecimento racional.
Conhecimentos físicos
e matemáticos.

Portanto concluo
se sinto raiva, ódio e inveja
e, com meus conhecimentos,
chego a oportunidade de aqui adentrar.
Invadir.
Meu racional me leva a tomar um lugar,
fazer-me presente onde quero estar.

Trago meu balde de tinta,
versus esse mundo novo venho protestar.
Tão indignado,
mostrarei que o artístico é seletivo
e contraditório.
Muitos aplicaram seu dom
por estas salas e corredores
a galeria está lotada.

Pinceladas de vermelho,
uma cor bem quente,
e amanhã terão um novo artista.
Ou nenhum...

Hoje pode ler esta carta,
tens junto o pincel ressecado.

O balde permanece cheio,
o juízo e a vergonha transbordaram em mim.
Deixo este bilhete ao curador.
Os versos jorraram igualmente,
são críticas que devia ter dito antes.

Esta, na verdade,
não é trabalho de um escritor verídico.
O período do art nouveau seguiu até 1920,
quando nem era nascido.
Contudo,
Também não nasci com o dom da arte.

Neste trabalho prático
Foi pedido art nouveau.
Jamais dominei a arte,
mas conheci o nouveau.
Amei e odiei.

Aqui declaro amor
e desconto rancor.
Serei julgado
por conquistas não obtidas
e obras inconclusas.

Uma disciplina
que pede talento,
e este aluno com um
quase inútil a tarefa.
São palavras pagando por
um quadro ou papel
em branco hoje e para sempre.

O senhor docente
representa o personagem do curador,
somente ao ponto de receber
meu descontentamento.
Protesto nenhum
foi feito ou arquitetado
isso é contexto fictício.

Meu desejo derradeiro é
demonstrar que aprendi,
vivi e me desenvolvi
com o art nouveau.
Poder dizer corajoso:
c'est mon travail.
avatar
Yoru
Iniciante

Data de inscrição : 05/05/2012
Idade : 24
Localização : São Vicente
Emprego/lazer : Programador de Sistemas/Aspirações: Literatura, Arte e Games

O que sou
Raça: Humano
Classe: Ladino

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Desafio Literário Origins

Mensagem por ritter em Qua Abr 29, 2015 12:43 am

Tarot

Entre, entre, venha sem medo
Cobro barato, seu futuro vejo
Estenda sua mão, me diga o anseio
Casa, dinheiro, um marido primeiro?

Perdão minha senhora, dinheiro não tenho
Casa tampouco. Marido? Sem jeito!
Lhe pagar não posso, nem perca seu tempo
Minha sorte inexiste, pela morte eu anseio.

Não fales assim, a morte virá
Anseie por ela e mais rápido será
Vereis no baralho, qual sorte lhe espera,
O mago, o enforcado, o eremita, a justiça?

Minha sorte lerás? Mas medo eu tenho
Saber meu futuro, verás meus anseios?
Que fareis, se saberdes? Se esperanças não tenho?
Viverei com mais medo, o sentido não vejo!

Pensas demais, por isso não casa!
Vai viver sempre assim? Limpando outras casas?
Tiro a primeira, consulto o que veio
A morte lhe sai, mudanças prevejo

A segunda já vem, pior impossível
O eremita lhe sai, mas que santo destino
Isolada estará, não terás um marido
Realizada não sei, mas esse é o caminho

Manuseio o baralho, a terceira retiro
Observo um tempo, preocupada eu fico
O enforcado lhe sai, aceitarás seu destino
De bom grado virás, serás quase um martírio

Já chega, cansei! Não preciso disso!
Nem morte ou eremita, nem isso ou aquilo!
Embora me vou, trabalhar necessito
Viver minha vida, sorte é o que menos preciso.

Tola e teimosa, já saiu correndo
Sua vida é sozinha, bem triste, eu vejo
Que carta tiraria, sendo a última sorte
Retiro uma carta e relaxo minha fronte

O destino é engraçado, veio tudo o que tinha
Já é solitária, depressiva e sozinha
Sua última sorte, a única que queria
Saiu-lhe a estrela, a esperança que vinha.

Considerações:
Resolvi fazer o texto me baseando no significado da imagem, ao invés de ser sobre o estilo. Então, depois de muito pensar, resolvi fazer algo sobre uma cartomante e uma mulher. As cartas citadas, como morte, o eremite, etc., todas eu pesquisei pra saber os significados. A última carta, a estrela, significa algo como esperança e é justamente a imagem do desafio.

Espero que tenham gostado ^^


" A juventude envelhece, a imaturidade é superada, a ignorância pode ser educada, a embriaguez passa... porém, a estupidez é eterna, Pettri."  Mordekaisen



[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
avatar
ritter
Iniciante

Data de inscrição : 23/06/2014
Idade : 24
Localização : Brasil, São Paulo

O que sou
Raça: Humano
Classe: Plebeu

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Desafio Literário Origins

Mensagem por isaac-sky em Qui Abr 30, 2015 10:40 am

A vitrola emitia o som do trompete. Uma música suave, colocada ali para acalmar o suspeito.

- Conte-nos mais sobre ela, senhor Fieldman - eu disse, com o bloco de anotações na mão esquerda e lápis na direita - Seja o mais detalhado possível.

O senhor Fieldman desviou o olhar. Não ousava olhar diretamente nos olhos de ninguém.

- Senhor Fieldman, o senhor está sendo acusado por homicídio... - Parker, meu parceiro naquele caso, perdia a paciência.
- Eu sei do que estou sendo acusado, senhores - Fieldman pegou seus óculos e colocou sobre a mesa.

- Então sabe que está em apuros. Se nos ajudar, poderá se provar inocente.
- Inocente? Ela não quer inocentes...

É difícil definir o que é realidade ou o que é devaneio no conto de Fieldman. Tentarei descrever o que entendi:

Tudo havia começado num sótão cheio de poeira. Fieldman realizava uma visita a uma casa de veraneio, localizada numa longínqua comunidade interiorana.

Havia comprado o imóvel por uma bagatela, um negocio suspeito no mínimo.
A casa de madeira, completamente isolada da estrada e localizada numa clareira ao lado de um rio foi vendida com tudo que havia dentro:
Mobília, obras de arte, livros...Fieldman não procurou saber quem era o dono antigo.

Não pretendia pernoitar naquela casa, mas Fieldman não viu as horas passarem enquanto fazia o inventario.
Um homem metódico, aproveitou que ate mesmo cama pronta havia ali e com uma breve ligação avisou a família de que passaria a noite ali.

Acredito que Fieldman se arrependa muito.

Uma voz, um canto, despertou Fieldman no meio da noite.
Acendeu as luzes, preocupado, imaginando que o lugar seria barato por falta de segurança.
Tirou uma velha pistola da maleta e subiu as escadas, em busca do som.

O sótão. Fieldman disse não saber como havia parado ali, e nem aonde teria parado a pistola.
Somente uma coisa engolia toda a visão do homem de negócios.

Ela.

- Esta me dizendo que sua pistola desapareceu de uma hora pra outra, Fieldman? - Parker jogou as fotos na mesa.
Era muito claro a causa mortis das vítimas.

- Eu não fiz isso. Eu não matei minha mulher e minha filha!!! - sentia o desespero na voz do suspeito - Foi ela!!!

- Ela quem, senhor Fieldman? - perguntei.

Fieldman continuou a contar.

Sua memória havia se embaçado em uma musica francesa em eterna repetição.
Imaginei que ele teria sido drogado, mas ele negou.

- Ela é tão bonita. Sua pele macia, o jeito que ela tocava a água do lago e seus cabelos morenos...
- Espera ai, lago? Não era um rio? - Parker questionou.
- Sim, um lago. Havia um rio ao lado da minha casa, mas ela estava num lago.

Achei que Fieldman já estava num estado alucinógeno. Criando fatos, criando elementos em sua história que não faziam o menor sentido.
Não havia culpa em sua voz mas tudo apontava para que ele fosse considerado culpado: arma do crime, atividades bancárias suspeitas, compra de uma casa isolada da sociedade.

Eu e Parker já havíamos criado nossa teoria: Fieldman teria resolvido fugir da família, teria encontrado uma amante, comprou uma casa para que ele e a amante pudessem fugir dos olhos do mundo. A mulher teria descoberto, levado a filha junto quando confrontou o marido.
Uma briga teria levado ao assassinato a sangue frio, sete tiros de pistola. Mãe e filha estiradas no chão da casa de madeira.

Mas ainda faltava um elementos para confirmar nossa teoria: quem era "Ela"? Não havia sinal da mulher na casa.

- Onde está Ela? - Fieldman perguntou, dessa vez com coragem para encarar Parker nos olhos - Ela estava confusa, não conseguia mais cantar. Cantava em francês.
- Achei que seria você a nos responder onde está essa sua amante - perguntei.
- Ela estava na casa, mas parei de escutar a música... - algo o interrompeu durante a fala, mas nós não sabiamos o que era - Santo Deus! Ela está aqui.

Fieldman abriu um sorriso sinistro. Suas roupas ainda estavam manchadas de sangue da sua família.

- Quem. É. Ela? - Parker se levantou, irritado. Fieldman era um louco, mas era o único que poderia esclarecer aquilo.
- Ela...ela é algo novo, policial - Fieldman se levantou, e num golpe inesperado chutou a mesa para frente, a virando.

Parker não teve tempo de sacar o revolver do coldre. Nunca imaginaríamos que um homem franzino daqueles teria força pra virar aquela mesa de metal num chute. Ele nem sequer estava algemado.
- EU ESTOU INDO, MON AMI! - esbravejou ao saltar sobre Parker, caído no chão.

Eu agarrei as costas do suspeito e coloquei o braço em volta de seu pescoço. Poderia enforca-lo se resistisse.

Não sei como, ele tinha o revolver de Parker na mão direita. Disparou duas vezes no teto da sala de interrogatório.
A partir desse momento toda a delegacia via o que acontecia e alguns colegas apontavam as armas para Fieldman.

Pressionei seu pescoço, senti ele perder o ar e começar a perder a consciência.

Ele quebrou o braço. Santo Deus ele quebrou o braço e deslocou o ombro para apontar o revolver, mas não era para mim: disparou o gatilho e a bala atravessou sua cabeça.
Naquele momento era eu banhado no sangue e cérebro.

Uma hora depois, já havíamos reportado tudo que vimos e passamos naquela sala.
- Relaxei, parceiro. A droga da arma tava sem a trava - Parker estava sentado, uma grande caneca de café no balcão do refeitório da delegacia lhe aquecia.
- Foi um dia ruim, Parker. O maldito estava fora de si. Com certeza foi ele quem matou a mulher e filha.
- Doentio, parceiro. Doentio. Mas temos de encontrar a tal amante.

Parker tinha razão, era a última ponta solta daquele caso. Pensei no que Fieldman dizia sobre ela já estar ali, mas meu pensamento foi interrompido por um colega que entrou, ofegante.
- Senhores, terminaram o inventário do que chegou da casa do Fieldman.

Eu e Parker fomos ao depósito. O lugar onde eram armazenadas as provas em grandes caixas em grandes armários.

A caixa estava ali, na altura do peito. Fui na frente, abri a tampa da caixa.

Ouvia um zumbido, não sabia exatamente o que era, então ignorei.

Um retrato antigo de Fieldman e da mulher, antes de se casarem. Um relógio de ouro. Alguns papéis e um grande papel enrolado feito pergaminho.

Acho que era uma música, estavam tocando do lado de fora.

Peguei o papel enrolado e o observei atentamente antes de desenrola-lo. Era algo antigo, talvez fosse um pôster de algumas décadas atrás. Não parecia o tipo de coisa que um homem sério feito Fieldman guardaria.

Definitivamente era uma música, não conseguia identificar a língua. Talvez francês.

Abri o papel, era realmente um pôster. Parecia seguir um estilo...francês, algo que eu talvez já tenha visto numa visita chata de museu com uma namorada, décadas atrás.
Uma mulher de cabelo escuro, de uma sensualidade bizarra. Era difícil desviar o foco da imagem.

"Espera, música francesa?"

Ouvi o clique do revolver ser destravado antes de me virar. O som do disparo foi a última coisa que ouvi.

Agora era Parker quem tinha sangue e cérebro em sua roupa.



Oi, meu nome é isaac

"Kurayami nara kocchi no mon da"
"A escuridão é minha vantagem"
Zatoichi
avatar
isaac-sky
Guarda Real

Data de inscrição : 21/10/2011
Idade : 24
Localização : Entre Nárnia e a Terra Média
Emprego/lazer : Dominar o mundo/ RPG/ SKA

O que sou
Raça: Humano
Classe: Ninja

http://www.skyisaac.wordpress.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Desafio Literário Origins

Mensagem por isaac-sky em Sex Maio 01, 2015 3:52 pm



Fim do prazo!!!

Parabéns aos que conseguiram produzir no tema dentro do prazo. Este tópico será fechado.

Caso queira comentar sobre este desafio ou sobre os textos contidos nele, comente no próximo tópico de Desafio.

Ahoy!



Oi, meu nome é isaac

"Kurayami nara kocchi no mon da"
"A escuridão é minha vantagem"
Zatoichi
avatar
isaac-sky
Guarda Real

Data de inscrição : 21/10/2011
Idade : 24
Localização : Entre Nárnia e a Terra Média
Emprego/lazer : Dominar o mundo/ RPG/ SKA

O que sou
Raça: Humano
Classe: Ninja

http://www.skyisaac.wordpress.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Desafio Literário Origins

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum