A luta por Gaia - África

Página 19 de 19 Anterior  1 ... 11 ... 17, 18, 19

Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por ritter em Ter Mar 03, 2015 3:34 pm

- Ralf, não tente nada. - Digo ao hominídeo. - Não sabemos o que pode acontecer se atrapalharmos o ritual.


" A juventude envelhece, a imaturidade é superada, a ignorância pode ser educada, a embriaguez passa... porém, a estupidez é eterna, Pettri."  Mordekaisen



avatar
ritter
Iniciante

Data de inscrição : 23/06/2014
Idade : 23
Localização : Brasil, São Paulo

O que sou
Raça: Humano
Classe: Plebeu

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por isaac-sky em Ter Mar 03, 2015 3:39 pm

Me vejo rosnando baixinho ao ver a cena, mas decido não fazer nada e somente observar.

- Não vejo a hora de sair daqui - digo sussurrando.



Oi, meu nome é isaac

"Kurayami nara kocchi no mon da"
"A escuridão é minha vantagem"
Zatoichi
avatar
isaac-sky
Guarda Real

Data de inscrição : 21/10/2011
Idade : 24
Localização : Entre Nárnia e a Terra Média
Emprego/lazer : Dominar o mundo/ RPG/ SKA

O que sou
Raça: Humano
Classe: Ninja

http://www.skyisaac.wordpress.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por Stein em Ter Mar 03, 2015 4:02 pm

- Não... a seita ainda existe - declaro, sem cerimônia alguma, explicando como encontramos as evidência e mesmo o corpo daquela mulher. Falo dos jarros e também dos demônios. - Não me importa se você está certo ou errado em seus atos, Amumniti - minhas garras crispam, meus olhos assumem um tom castanho vivo, enquanto meus pelos parecem se iluminar por uma luz interna que vem do fogo de meu espírito. - Você não vai mais matar ninguém daqui... amante das sombras - digo, referindo-me às pinturas, um insulto ao culto que julgava que o Sacerdote tomava partido.
Uivo, sabendo que minha atitude poderia mudar tudo, sabendo que poderia morrer no próximo movimento. Mas acreditando que Gaia era quem guiava meus instintos, e a ela eu devia total obediência.
- Eu não verei mais ninguém sangrar nestas areias sem reação, Sacerdote - meu tom de voz é gutural, tomado pela fúria que queima em meu espírito. Aquilo era Injusto. - Você não tem direito de tirar a vida de ninguém, seja por ciúmes, inveja, ou sob qualquer outra justificativa - minhas garras crescem, meus pelos se tornam mais cheios acima dos músculos que incham em potência.

[Testes rolados no Rolz, mudo para Hispo: 8, 4, 9]

- Que Gaia me perdoe, pois não tenho direito de tirar sua vida, Sacerdote... mas ou você abaixa essa bola e manda seus lacaios sumirem daqui... - urro, uma palavra que que havia aprendido com Ralf. Uma "gíria humana", segundo ele. Com um potente impulso dos músculos de minhas pernas, disparo na direção do humano, parando há centímetros de seu rosto, os dentes cerrados em uma fúria pouco contida -... ou eu juro que farei você sangrar.

Me preparo para atacar ao menor sinal de agressividade de Amumniti. Irei atacar para matar.
Tento sentir algum cheiro inumano vindo de Amumniti... mas ele ainda parecia ser um humano comum (já havia feito isso antes, com dados bem altos e não revelei ele como vampiro ou mago, fui apenas interpretativo agora).



A sorte favorece a mente bem preparada


avatar
Stein
Alquimista

Data de inscrição : 21/10/2011
Idade : 27
Localização : São Paulo, nas redondezas de Shibusen
Emprego/lazer : Programador de Sistemas e alquimista insanamente louco nas horas vagas

O que sou
Raça: Humano
Classe: Alquimista

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por arcanjosna em Ter Mar 03, 2015 8:54 pm

Ouço tudo, calmamente. Como guerreiro aprendi a falar pouco e agir rápido.

Tento memorizar os nomes, a história... A coisa toda... Tudo era muito confuso, havia muito mais do que meramente organização política... Muitos sentimentos desconexos estavam envolvidos...

Até que o maldito tenta matar novamente...

- não existe purificação na morte... - falo com calma, porém, com segurança e um peso nas palavras - podemos te provar isso Sacerdote...

Estalo os ossos de minha coluna, procurando forças para uma nova transformação de preciso fosse... Não importaria a dor, mas a força do momento.

- Larguem a mulher agora, ou afundarei os dentes na carne de cada um...

A esclera avermelha mais uma vez.


´Os grandes pensadores nunca têm certeza do que dizem. Eu acho...´

avatar
arcanjosna
Guarda Real

Data de inscrição : 22/10/2011
Idade : 28
Localização : Jaboatão-PE... e eu achava paulista atrasado, ó kkk
Emprego/lazer : carteiro FORMADO

O que sou
Raça: Humano
Classe: Shinigami

http://www.cmfreak.net/forum/index.php?showuser=6533

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por Yoru em Qua Mar 04, 2015 2:56 pm

      Sobre passos cautelosos o vulpino seguia a fila corredor adentro. Com retardo proposital ele se manteve na cauda, carregava o pesado manto de camuflagem por sobre o ombro direito, como se seu grosseiro tecido cor de caqui fosse escuro couro trabalhado. Por baixo, dois dedos agarravam dobras de pano contra a palma da mão, e os demais seguravam o cabo nu da lâmina exótica na altura da coronha. Rente ao tronco e coberta em excesso, poderia ir à qualquer canto secretamente bem armado.
      Na sala destinada a interrogações, não sentiu mistérios sendo preservados; o que se revelava no emaranhado eram somente nós mais antigos e profundos. Intrigas de reinados, alianças e amores.
      Retroceder no tempo sempre causaria dores de cabeça a quem buscasse o passado das coisas. E o nosso aqui se esvai junto com a saúde, recordou a hemorragia nasal, enfim, limpando o filete escarlate. Evitava refletir a razão de tal efeito. De forma involuntária e acelerada já concebera teorias acerca da colateralidade da viagem temporal; incluindo a previsão de estágios piores. Com um meneio de cabeça, o kitsune concordou com a pressa de Mordekaisen. Porém, o sacerdote insistia na "sentença" dos acusados e apontou a mulher como primeiro réu. Hadhor teve um sobressalto expressivo pela primeira vez. Ela estava calma demais, ponderou. Ela soltou uma replica certamente comprometedora. Ninguém desconfiou dos olhares dela. Inflexível, o acusador ordena um servo para dizer que entrem. Quem seriam "eles"?
      Minutos após, o enviado retorna com os indivíduos misteriosos, que tomam lugares estratégicos junto das divindades esculpidas.
      Como pode...?, mal conseguia pensar, tampouco articular algo útil com a boca semiaberta. Esses caras outra vez! Ou seria essa a original?
      Um tecelão com déjà vu é como um leitor sem interpretação, ouvira Kensei alertar, aquele que revê as linhas sem nunca entender a passagem completamente.
      Será que estava perdido?
      Amumniti verbalizava algum rito. Ralf o questionava preocupado com a segurança da moça; Pettri alertava-o sobre a periculosidade em intervir no processo mistíco. Scar explodia seu silêncio manso, tomando posição contra o Sacerdote-Chefe; Hawk parecia igualmente revoltoso, ameaçando os asseclas que detinham a fêmea traiçoeira, porém, frágil o suficiente para despertar o heroico dever de proteção neles.
      Com um tsc o Raposa fechou seus olhos em desaprovação, aproveitando para refletir uma vez mais antes de agir.
      — Você disse que era um interrogatório, sacerdote — Valentine cobrou a palavra dele. — Não um julgamento.
      Dita sua última palavra, o agente curvou levemente os ombros e o tronco, mirando repentinamente um dos sete mais próximo. Um impulso, um giro anti-horário e largava sua capa entre eles, na metade do movimento; deixando-a tremular solta para, completando seu giro de corpo, levar a mão livre a apanhar e enrolar a grossa cortina entorno da cabeça de seu alvo, terminando ao agarrar o ombro direito dele [Destreza 4 + Prontidão 3 = 7 -3 (ações): Vincent: repeat 4 1D10 => 2 ; 9 ; 10 ; 10 / Rerrolagem de sucesso: Vincent: 1D10 => 5]. Com o lado plano deitado em sua espádua, mantém o peso da foice-espada equilibrada em seu corpo para ter leveza ao subir seu prórpio peso apoiado no inimigo; chuntando-o na boca do estomago com a bota esquerda, desprotegido pela reação de erguer os braços e tentar tirar a rede de si, para forçá-lo a abaixar mesmo que um pouco [Destreza 4 + Briga 3 = 7 -3 -1 (movimento seguido): Vincent: repeat 3 1D10 => 9 ; 8 ; 2]; enquanto a destra dele, que não fora completamente coberta pela capa, podia ser puxada para debaixo de seu braço, fechando o pulso entre sua axila e braço e enrolando seu antebraço para travar as juntas do outro. Concluiu o jogo de corpo lançando a perna seguinte violentamente contra a altura da orelha e pescoço dele, o que faria os dois rotacionar para a esquerda e tombarem, com a intenção de cair o joelho esquerdo no peito deitado e o pé ao lado da cara dele [Destreza 4 + Briga 3 = 7 -3 -1 -1 (segundo movimento seguido): Vincent: repeat 2 1D10 => 8 ; 8]; imobilizado para reagir a ponta afiada que desce até sua garganta.
      — O que quer que queira fazer, precisa de todos eles concentrados. Se não esclarecer o crime deles diante do Faraó, nenhuma atitude será tomada aqui — Vincent garantiu.
avatar
Yoru
Iniciante

Data de inscrição : 05/05/2012
Idade : 24
Localização : São Vicente
Emprego/lazer : Programador de Sistemas/Aspirações: Literatura, Arte e Games

O que sou
Raça: Humano
Classe: Ladino

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por Aleleeh em Seg Mar 09, 2015 2:14 pm

Meses antes - Antigo Egito:

- Abuh, sabes que sou a mulher do faraó. Não existe mais nada entre nós, sou fiel a Djedefré.

- Sei e todos os deuses sabem, Khepri... porém, dessa vez, não sou eu quem tenta cortejá-la... é a própria esposa de Seth, Néftis, quem me enviou.

- Você estava com Seth, Abuh?!

- Não, Néftis estava com Osíris... acho que os dois estão traindo Seth, mas não posso afirmar nada. Ela quer que você vá ter com Seth e tenha e carregue em seu ventre o filho de Seth. Quando ele nascer, será raptado daqui e levado para Seth, e dado como uma benção para Seth. Ela acredita que Seth ficará mais brando e tranquilo se tiver um herdeiro... mas, aparentemente, o ventre dela não é fértil como as  terras de Djedefré.

- Não... não posso aceitar.

- Me desculpe, Khepri... ou você se deita com Seth ou matarão a Pirâmide toda. Néfti prometeu que destruiria a todos. Inclusive, Tawaret está com Osíris também, a querida segunda esposa de Seth. Não sabemos como Osíris tem conseguido apoio de tantas figuras importantes no Egito, mas Seth continua sendo o pior dentre eles.

- Não farei isso por você Abuh, nem por Néfti, nem por Seth e Osíris. Farei por Djedefré, meu amado.

- Que Rá a proteja, minha senhora...

- Que Rá o guie de volta à armada. Venha me buscar amanhã cedo... quanto antes isso terminar, mais rápido poderei voltar aos braços de meu amado.

- E quanto a Amumniti?

- Ele anda tão aflito com as movimentações no Alto Egito que se trancou no salão subterrâneo da pirâmide há dias, buscando os deuses e fazendo seus rituais. Djedefré não dorme à noite, preocupado com seu povo...

- Parece que não tem escolha, Khepri. Estarei aqui ao nascer do sol.


__________________________________________________________

África e a Matilha - O pecado do Deserto:

A revolta de parte da matilha é explosiva: ameaças de morte, palavras sólidas e mutações rápidas ocorrendo.

Os movimentos rápidos de Vincent complementam o tom ameaçador de Scar, acertando em cheio um dos homens posicionados, colocando uma faca em sua garganta enquanto o imobiliza.
O homem não se move e sorri. Um sorriso estranho e asqueroso, que deixa o Kitsune surpreendido demais para poder enfiar a faca mais fundo na pele daquele homem.

Amumniti os observa, enfurecido e a sala toma um ar ainda mais horripilante:

- O que pensam que estão fazendo!? - a voz parece mais grave e encorpada agora - Não sabem com o que estão mexendo! NÃO SE PODE INTERROMPER UM RITUAL!

Ele afunda o rosto de Hadhor na pia ao centro, a água borbulhando e o grito de desespero da mulher:

- Perdoa-nos, deuses, limpe o rosto dessa mulher a imprudência dos meus convidados... farei tudo pela causa. Retorne Hadhor à purificação primordial!

Os olhos dos deuses brilham, apenas um parece se manifestar de maneira diferente. Os outros sentenciados, sentados nas cadeiras, ouvem a descrição da história de Scar, a ameaça incontida de Hawk e um dos homens caírem ao solo, imobilizados pelo Kitsune, mas já não podiam fazer nada.


Amumniti joga Hadhor para trás, e seu belo rosto agora tem uma enorme marca:



- Nós, os oito, recebemos o Abraço. O escolhemos. E agora, corre em nossas veias, o sangue de Caim. Nossa marca será lembrada para sempre, pois agora, somos imortais; Seguidores do Chacal, o grande entre os grandes, pedimos aos deuses antigos que nos absolva da vida, porque somos eternos como eles agora.
Amumniti salta sobre Hadhor, tentando tirar suas vestes da maneira mais eficiente possível.

Darún e Mordekaisen parecem compreender além do que vocês, novatos garous (e kitsune) poderiam saber e se movem rapidamente. Darún crina juntamente de Mordekaisen e eles pulam unidos para retirar Amumniti de cima da mulher que grita desesperada. Amumniti revela olhos avermelhados e enormes presas que quase saltavam de sua boca. A tatuagem que Kelsey havia visto, agora, se transformara no símbolo da cabeça de Chacal e brilhava em vermelho em sua pele.

Amumniti consegue desviar dos movimentos rápidos de Darún e Mordekaisen, que acabam por destruir com um salto evasivo a pia central do enorme e negro salão.
Os outros encapuzados saem de suas posições, revelando-se, dentre eles, uma mulher... que, para o espanto de vocês, possui bandagens pelo corpo.

Um arrepio percorre suas espinhas diante daquelas cenas: Ralf tinha razão. Khepri, a mulher do faraó, estava na Sala Precisa... e mesmo sem energia vital, ela estava ali, atuando ao lado de Amumniti. Os olhos dela eram vazios e seus movimentos poucos precisos assustavam. Seu semblante era lindo e assustador, enquanto ela se dirigia para cima de Abuh:

- Aceite meu Abraço, meu amado Abuh.

A voz estranha faz Abuh se desesperar, mas não possuía forças para sair do banco em que estava preso. Ela monta em Abuh, encostando seus lábios no dele, fazendo-o gemer de desespero e êxtase.

Um comentário de Mordekaisen, depois da primeira menção de Seth e do tempo que tiveram dentro do quarto, anterior ao jantar, faz com que vocês compreendessem o que era aquilo:

O Abraço é o ritual dos vampiros para tornar pessoas comuns em um deles, eles precisam transmitir afeto através de beijos ou relações, até onde nós Garous sabemos; os transformam em semi-vivos, praticamente imortais. Há muito não nos damos bem, principalmente Peregrinos e o tipo de vampiro igual à Seth e sua escória nojenta. Nós fomos a tribo que mais sofreu com eles, temos motivos para arrancar-lhes o pescoço e destruir suas ninhadas...

Existem Oito inimigos conhecidos dentro da sala e a pouca luz dificulta enxergar. Todos, rolem Força de Vontade e podem seguir com suas respectivas ações após isso. Se não passar de 6, ficam paralisados e suscetíveis a ataques durante a cena.


"Dificuldades preparam pessoas comuns para destinos extraordinários." C. S. Lewis






Audrey / Elizabeth / Liesel /
Chamado
Aly
avatar
Aleleeh
Iniciante

Data de inscrição : 22/12/2012
Idade : 22
Localização : São Paulo - Caern de Sampa
Emprego/lazer : Pseudo-artista

O que sou
Raça: Humana
Classe: Bruxa

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por ritter em Seg Mar 09, 2015 3:07 pm

Pettri: 3D10 => [ 1 +3 +1 ] = 5 #Força de Vontade


" A juventude envelhece, a imaturidade é superada, a ignorância pode ser educada, a embriaguez passa... porém, a estupidez é eterna, Pettri."  Mordekaisen



avatar
ritter
Iniciante

Data de inscrição : 23/06/2014
Idade : 23
Localização : Brasil, São Paulo

O que sou
Raça: Humano
Classe: Plebeu

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por isaac-sky em Seg Mar 09, 2015 3:46 pm

Ralf_the_hellblazer: 4D10 => [ 4 +9 +1 +7 ] = 21 #Força de Vontade.

Saco a adaga, as suspeitas contra o Ammnuti eram verdadeiras. Deveríamos ter visto isso antes, parece que não pudemos parar...aquilo.

- Ei! Matilha! Hora de chutar bundas!!!

Corro e tomo impulso, salto e tento fincar a adaga no oponente mais próximo:

Ralf_the_hellblazer: 5D10 => [ 3 +5 +3 +3 +10 ] = 24 #destreza + armas brancas
Ralf_the_hellblazer: 1D10 => 4 #tornando dado




Oi, meu nome é isaac

"Kurayami nara kocchi no mon da"
"A escuridão é minha vantagem"
Zatoichi
avatar
isaac-sky
Guarda Real

Data de inscrição : 21/10/2011
Idade : 24
Localização : Entre Nárnia e a Terra Média
Emprego/lazer : Dominar o mundo/ RPG/ SKA

O que sou
Raça: Humano
Classe: Ninja

http://www.skyisaac.wordpress.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por Stein em Seg Mar 09, 2015 4:44 pm

Teste de Will: 3, 2, 7, 2, 8 (dois sucessos)
------------------------------------------

- Desgraçado - o odor de Amumniti subitamente se altera, e meu olfato detecta a ameaça. Concluo a transformação, passando pra Crinos (considerando que já havia passado no teste anteriormente e estava apenas me segurando), ao passo que dobro de tamanho, meus olhos amarelos em fúria e sede de justiça (+4 força, +2 destreza, +3 vigor). - Vou extinguir sua existência da face do Egito, filho da escuridão! - me lembro do que Darún havia há tempos me ensinado sobre os vampiros, como eram criaturas nojentas e sem amor pela vida humana, sem apreço algum pelas causas dos Garous. Eram nossos inimigos naturais, e meus instintos pediam que eu o obliterasse. - Gaia tenha piedade de sua alma... - uivo guturalmente, sedento pela morte do Sacerdote - pois eu não terei de sua carne.

Aproveitando da proximidade de Amumniti, avanço contra meu alvo buscando abocanhar sua cabeça. Em seguida, executo um movimento giratório da cintura, forçando o aperto na mordida e buscando arrancar a cabeça do Sacerdote de seu corpo. [Ataque múltiplo, -1 Fúria]

Morder: Destreza(4)+Briga(3) = 6 acertos
Teste Completo:
9,4,10 (5),7,4,10(2),9
Dano: 8, 9, 8, 8, 2 , 9, 4, 6(+1)

Dilacerar/Decapitar: Destreza(4)+Briga(3) = 5 acertos
Teste Completo:
6,2,3,3,7,10(8),10(2)
Dano: 5, 9, 3, 7, 5, 3, 9, 10(+1)



A sorte favorece a mente bem preparada


avatar
Stein
Alquimista

Data de inscrição : 21/10/2011
Idade : 27
Localização : São Paulo, nas redondezas de Shibusen
Emprego/lazer : Programador de Sistemas e alquimista insanamente louco nas horas vagas

O que sou
Raça: Humano
Classe: Alquimista

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por arcanjosna em Seg Mar 09, 2015 5:19 pm

pra eu não esquecer mais:

lobo: F +1 D +2 V +2
Hispo: F +3 D +2 V +3
Crinos: F+4 D+1 V +2
galabro: F+2 V +2 M-2 V +1

Observo a Cena, Vincent havia agido, raposa astuta ele é, devo dizer. Mas amumniti não havia parado o que estava fazendo, eu e Scar começamos a nos mover, sem saber o que exatamente o outro planejava, mas nosso alvo era claro.

Sangue rolaria essa noite, ainda estava dolorido, mas não iria deixar passar. Tudo ou nada e não vou correr nenhum risco. nem por mim, nem pelos que aqui estão!


Hawk: 3D10 => [ 1 +10 +8 ] = 19
Hawk: Hawk has joined the room.
Hawk: 1D10 => 6
Hawk: 10D10 => [ 7 +3 +10 +9 +9 +4 +6 +7 +7 +10 ] = 72 #transformação em hispo

a dor é excruciante, e enquanto me transformo, observo em volta, em qual frente serei necessário... (considero que vi scar avançando contra o sacerdote, e se ele não resolver, eu avanço.)

enquanto meus ossos estalam e a carne distende... vejo então as intenções do maldito com a estranha mulher... enquanto desnudava um de seus seios e a prostrava ao solo para consumar seu ato horrendo... um único nome me veio à mente... Evelyn...


´Os grandes pensadores nunca têm certeza do que dizem. Eu acho...´

avatar
arcanjosna
Guarda Real

Data de inscrição : 22/10/2011
Idade : 28
Localização : Jaboatão-PE... e eu achava paulista atrasado, ó kkk
Emprego/lazer : carteiro FORMADO

O que sou
Raça: Humano
Classe: Shinigami

http://www.cmfreak.net/forum/index.php?showuser=6533

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por Yoru em Ter Mar 10, 2015 9:15 pm

      É um ritual individual!, descobriu lendo aquele sorriso estranho.
      Em toda aquela confusão tentava compartilhar o máximo de atenção entre seu refém (que não parecia aterrorizado como tal) e o desvendar da trama ardilosa. Conseguiu discernir a menção ao "sangue de Caim": Filhos de Caim... assim autodenominam-se os malditos Sanguessugas. Enquanto o falso chefe sacerdotal despia uma Hadhor com desespero acentuado, os veteranos reagiam rapida e agressivamente. Crinos, identificou. Dos opostos raciais, ambos assumiram a mais potente forma de combate dos metamorfos lupinos. Se até mesmo Darún, tão calmo e avaliador, avançava sobre o inimigo, logo, ninguém deveria permanecer parado como um alvo.
      Mas lutar contra vampiros era algo difícil de exigir, fosse humano ou garou. Os outros seis desvelaram suas imagens, entre eles havia uma figura feminina praticamente retirada do processo de mumificação. Não pode ser! Porém, dias atrás, tampouco julgaria possível voltar no tempo. E no mundo dos metamorfos, tudo era possível. Para um kitsune havia temor igual, contudo, Gaia os fez para jamais serem servos de sangue. Esse ritual não poderia torná-lo um lacaio deles; desse modo, o homem-raposa tinha toda a responsabilidade de confrontá-los até o fim.
      Venceu o medo sem hesitar (Força de Vontade 5: Vincent: repeat 5 1D10 => 3 ; 6 ; 10 ; 10 ; 8 / Tornando os 10' s: Vincent: repeat 2 1D10 => 9 ; 8) e afundou o sabre ceifador na garganta do risonho (Destreza 4 + Armas Brancas 3 = 7 -2 (ações): Vincent: repeat 5 1D10 => 10 ; 1 ; 7 ; 10 ; 1). Moveu a ponta até ter certeza que o os músculos do pescoço não conseguiriam mais manter a cabeça erguida ou a espinha conectar levar os comando cerebrais ao corpo, deixando os recursos vitais do maldito esgotados.
      — Libertem os outros ou eles continuaram sendo alvo fácil — avisou a matilha.
      E, saltando de cima daquele cádaver silenciado, irrompeu na direção dos presos (considerei uma distância até os 7 metros da ação de mover, mas com velocidade acelerada só por interpretação; já que correr é para longos espaços). Escolhendo o assento onde Abuh estava sendo dominado com contorções inúteis pela vampe em seu colo. Estacando um passo de distância anteriormente e descendo o curvilíneo gume da altura de seu ombro até os pescoços do mórbido casal (Destreza 4 + Armas Brancas 3 = 7 -2 -1 (ação consecutiva): Vincent: repeat 4 1D10 => 10 ; 4 ; 8 ; 3 / Torna 10: Vincent: 1D10 => 10 / Torna 10: O Retorno: Vincent: 1D10 => 2). Ele já está perdido, teve que dizer a si mesmo ao cumprir aquele golpe.

[Off: Desde que a distância não seja maior que 7m, acho que ele pode se mover com ataques múltiplos intercalados. Senão vai ter que gastar o resto do turno cortando o espaço pra atacar no outro. Ah! E qual é o dano dessa arma?]
avatar
Yoru
Iniciante

Data de inscrição : 05/05/2012
Idade : 24
Localização : São Vicente
Emprego/lazer : Programador de Sistemas/Aspirações: Literatura, Arte e Games

O que sou
Raça: Humano
Classe: Ladino

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por isaias_tsuiwa em Sex Mar 13, 2015 5:24 pm

"Kelsey, os vampiros são criaturas da noite que bebem sangue. Eles nada mais são que abominações nascidas das trevas cujo único objetivo na vida – não vida, na verdade – é saciar sua sede devassa com o sangue dos vivos. Os vampiros são monstros, anjos da Wyrm, cuja única vontade é corromper as criações da Mãe Gaia..."

*Me lembrava de minha mãe falando para mim, das horríveis experiencias que minha avó havia passado na mão desses malditos... histórias que me botavam medo... que me faziam ter pesadelos horriveis*

*Meu pai sempre dava bronca em minha mãe, quando eu acordava assustada, chorando toda envolta em suor e urina*

'Já não te falei para não contar essas babaquices para a menina?  Essas histórias que sua mãe te contou não passam de alucinações, coisa que ela começou a inventar porque o marido a deixou... e nós bem sabemos que seu padastro era um deles!!!'

*Escutava meu pai gritando com ela, e em seguida vindo até o meu quarto, me tirando da cama e me levando para tomar um banho enquanto cantarolava canções para me acalmar*

*Depois do banho, meu pai colocava roupas limpas em mim e me colocava para dormir e dizia*

"Kelseyzinha, minha querida filha... o que sua mãe falou não é verdade, isso apenas é algo que sua avó disse, pois ela teve problemas com os vampiros.... mas nada que envolva essas coisas horriveis que ela te contou"

*Após me abraçar meu pai em um tom risonho dizia*

"Sabia que o papai tem um amigo que é vampiro? Ele tem uma filhinha da sua idade, que sempre pede uma amiguinha para brincar... qualquer dia, vou te levar para brincar com ela e você vai ver que nada disso é o que ela disse"


*Acordo do meu rápido devaneio e observo atônita toda a situação, não conseguia me mover, os monstros de meus pesadelos infantis estavam ali, na minha frente, e eu me sentia incapaz de fazer qualquer coisa, tamanho o medo que percorria minha espinha*


Sistema:
Força de Vontade:

KelseyCiaran rolls repeat 3 d10 = 5; 4; 5
avatar
isaias_tsuiwa
Iniciante

Data de inscrição : 26/10/2011
Idade : 25
Localização : São ViSELVA - SP
Emprego/lazer : Aspirante a Produtor Multimidia

O que sou
Raça: Orc
Classe: Samurai

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por Aleleeh em Sex Mar 13, 2015 6:40 pm

2014 - Dias atuais

- Você foi difícil de encontrar.

Alen tira os enormes e potentes fones de ouvido, deixando-os pender no pescoço. A mulher de cabelo verde usava uma touca bem aconchegante e uma roupa bem discreta, apesar da cor diferente que o cabelo possuía:

- Parece que você me encontrou, então. Sou Alen Malthir, deve saber. Você veio por causa deles?

Ele apontou alguns dados na quarta tela do seu computador.


Vértices detectados
Localização: Deserto do Saara
Rastros de calor: Sim
Detectado DNA 8633

Localização: Cairo, Egito
Rastros de calor: Sim
Detectado DNA 8733

Saltos no tempo: Confirmado



Liana não se deteve, aproximando-se da tela:

- Exatamente. Imagino que já soubesse que alguém iria espionar sua movimentação? - ela encosta o corpo em uma enorme barra de ferro que suportava uma lâmpada - Não estou interessada no que os homens de negócio pensam, o que eu queria era te encontrar. Se me ajudar, posso te ajudar também.

- Diga a sua proposta, Delacroix.

Ela sorri:

- Conheço alguém que poderia te ajudar com seus assuntos de... metamorfose. Em troca, conseguiria alterar nesses vértices?

- É uma alteração perigosa que me pede...

- Então isso é um sim?

Alen digita algumas coisas, gritando algumas ordens para Stew, que aparece de pronto e executando o que lhe fora ordenado:

- Quem é? Sua namorada?

Liana logo responde:

- Apenas amigos, - ela sorri para o jovem Stew - parece que me envolvi com o oposto do tipo de Alen.

Xing era chinês, não era tão alto mas com certeza muito galanteador. Ele não era o oposto de Alen só na aparência, mas também em sua essência: Xing era um vampiro que buscava se safar de sua condição, situação agravada desde que começara seu relacionamento com Liana.

Alen volta a falar:

- Vai demorar alguns minutos, vamos ter que aguardar. Espero que isso não afete o bioma, não quero ser caçado por isso também... - ele não tira os olhos dos dados que surgem na tela, digitando intensamente e, volte e meia, voltando para soldar uma pequena peça metálica.

- Se aquele felino do meu sonho estiver certo, poderemos interromper uma alteração perigosa no nosso presente...

- Isso quer dizer que eles realmente retrocederam no tempo? - Stew parecia inteirado das teorias de Alen - Porque começamos a compreender esse universo apenas agora...

- Temo que sim. Tem sido difícil discernir meus sonhos, mas tenho um contato que me confirmou muitas coisas. E então, estamos aqui agora.

Um bip e o programa começou a rodar. A máquina que Stew posicionara começava a fazer um som suave, mexendo um pequeno satélite em cima de sua estrutura e fornecendo informações em um display. A super máquina de Alen funcionava inteiramente para realizar aqueles processos, combinando ondas e redirecionando-as.

Para o pequeno grupo só restava aguardar.
__________________________________________________

A grande revelação - Seguidores de Seth

Ralf salta sobre um dos homens que corre em sua direção. No ar, sentindo o coração bater rápido demais, a adrenalina desce sobre seu corpo; a adaga encontra o ombro do homem que grunhe, reclamando da lâmina fincada.
Ele se prepara para revidar...

Nesse momento, Scar completamente enraivecido, salta sobre Amumniti. Darún acerta um soco certeiro, os músculos enormes pulsavam e a risada macabra do Sacerdote sumia. Simultaneamente, Scar morde e dilacera a pele do pescoço... puxando para trás nervos, pele e veias. Um enorme rio de sangue começa a escorrer, fazendo todos os outros inimigos pararem...

Era inacreditável o que havia acontecido. Amumniti, o ser que causara tanto terror e havia destruído o crânio de um homem há poucos minutos atrás, agora, estava jorrando sangue. Sua tatuagem brilhava menos agora e seus lábios se moviam:

- Que... meu sangue... sele meu compromisso... e minha energia vital... se expanda... eu continuarei!!


Hawk salta, apesar da respiração ofegante em lembrar de Evelyn. Aquilo era como apunhalar seu coração...
Com uma patada, ele derruba Amumniti, que cede ao chão com facilidade. Hadhor parecia assustada demais para reagir à sua investida, apenas tremendo no chão. O rosto, queimado, parecia doer além do possível de suportar. Salvá-la ou garantir que não havia dado tempo de transformá-la em um monstro... essa escolha era sua.


Outro corpo que convulsionava era o que Vincent havia trespassado com a lâmina dourada.
O Kitsune foca os dois, executando golpes limpos.

Khepri parecia se desfazer pela lâmina, virando algo semelhante à areia. Abuh para de gemer subitamente, te fitando. Os olhos reviravam e um sorriso insano tomava seus lábios no momento que a lâmina acabava com a sua dor e êxtase.
Era o fim de Abuh, e Vincent se detém: uma pequena visão vinha sobre sua mente:

Abuh levava Khepri para uma pirâmide... e a entregava para Seth. As cenas do nojento faraó desposando-a era animalesca e excessiva. No final, um beijo.
Depois, Abuh levava-a de volta para a pirâmide e aparecia todas as noites, incontáveis luas, e o inchaço ia tomando forma...

Khepri havia engravidado de Seth... mas como? Que ela era fértil dava para notar... mas Seth não podia sê-lo.


Rapidamente voltava ao mundo real e não haveria descanso tão logo gostaria: a areia voltava a tomar forma; os grãos logo se transformaram em carne e pele, as curvas acentuadas de uma mulher, os lábios que causavam desejo a qualquer homem, o olhar sedutor que a mulher mais bela do Egito continuavam ali e ela não detinha o sorriso encantador que produzia.

Kelsey e Pettri mal podiam se mover, enquanto os grunhidos e palavras malditas eram disparadas. Os dois homens que se dirigiam em direção à Kelsey parecem desistir ao chegarem há dois metros próximo dela.
Pettri sente o coração pulsar: Estava de frente para seus piores inimigos e, agora, mal conseguia se mexer!

Foi quando Amumniti, ainda no chão, diz em algo semelhante a um suspiro:

- Matem o... Peregrino...

Mordekaisen se prepara para as investidas... mas não era nele que os lacaios de Amumniti haviam focado: era em Pettri, que apenas observava a tudo sem conseguir mover-se do lugar.
Cinco deles correm em sua direção, ensandecidos.

Tudo estava perdido, a certeza do fim fazia seu coração pulsar ferozmente. O amuleto reagia, fazendo uma seta de luz disparar e perfurar o peito de um, que cai no solo.

Atum é meu nome... e minha flecha lhe serve agora, peregrino.

Pettri podia sentir a energia repentina explodindo em seu pulso. O amuleto lhe protegera uma vez, mas não havia certeza de que agiria com você parado.

Mordekaisen salta sobre os outros quatro. Sua forma Crinos era exuberante em força, um completo Ahroun.
Ele apenas contra os quatro se transforma em uma batalha sangrenta, os vampiros o mordiam, arranhavam e um deles usava um punhal com marcações; com certeza, estavam cheios de fetiches e um deles havia causado o temor paralisante que sentiram no início da luta.

Silenciar Amumniti parecia, temporariamente, ter dado certo. Mas ele continuara vivo e vigiar o corpo não fora o suficiente. Não naquele lugar.
O punhal com fetiche parecia chamar uma sombra. E essa sombra tinha a forma do Sacerdote. Com um movimento preciso, ele acerta Mordekaisen, que continua lutando, porém, grunhindo de intensa dor. Agora, dois deles sugavam parte de seu sangue enquanto um outro tinha seu braço despedaçado e um órgão pendia para fora.
Ele não aguentaria tanto tempo mais.

(Kelsey e Pettri podem agir nesse turno, sem nenhuma penalidade)


"Dificuldades preparam pessoas comuns para destinos extraordinários." C. S. Lewis






Audrey / Elizabeth / Liesel /
Chamado
Aly
avatar
Aleleeh
Iniciante

Data de inscrição : 22/12/2012
Idade : 22
Localização : São Paulo - Caern de Sampa
Emprego/lazer : Pseudo-artista

O que sou
Raça: Humana
Classe: Bruxa

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por ritter em Sex Mar 13, 2015 9:47 pm

Escória.

Pettri: 5D10 => [ 2 +3 +9 +5 +8 ] = 27 #Gnose

Após ver Ammnuti esfaqueando meu mestre, levanto o punho e miro o bracelete em sua direção.

- Saia de cima de meu mestre, verme sem alma!

Disparo a flecha em sua direção.

Me empreste seu poder, Atum.

#Gasto 2 de fúria, restante: 1

Baixando o braço, parto furioso para cima do estiver mais próximo e tento esmagar sua cabeça com os punhos.

Pettri: 2D10 => [ 3 +5 ] = 8 #Dex 3 + Briga 0 - 1 Crinos
Pettri: 2D10 => [ 10 +2 ] = 12 #Dex 3 + Briga 0 - 1 Crinos
Pettri: 1D10 => 7 #Re-roll


" A juventude envelhece, a imaturidade é superada, a ignorância pode ser educada, a embriaguez passa... porém, a estupidez é eterna, Pettri."  Mordekaisen



avatar
ritter
Iniciante

Data de inscrição : 23/06/2014
Idade : 23
Localização : Brasil, São Paulo

O que sou
Raça: Humano
Classe: Plebeu

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por isaac-sky em Sab Mar 14, 2015 11:04 am

Me afasto do oponente que estava prestes a revidar. Fico agachado, recuperando o fôlego.

Havia atingido "aquilo", mas minha adaga não é o suficiente..."Droga, eu vou ter de fazer aquilo"

Memórias da minha primeira transformação me vem a mente: a sala cheia do sangue de Walter, sua cabeça empalada, a mulher morta no chão quando eu me transformei.

Abháa havia me ensinado sobre as formas garou, sobre suas vantagens, sobre controle. Darún me mostrou algumas coisas na prática também.
Eu era o único novato ali.
- Por que eu me transformei tão tarde? - fiz essa pergunta algumas vezes a Darún e Abhaá, mas não obtive uma resposta clara.

Seria eu alguma aberração?

Meus amigos estão em perigo, e eles querem matar Pettri pelo visto. Não dá pra hesitar agora!

- Tentei adiar esse momento, mas acho que o blues vai ter de continuar... - finco a adaga no chão e coloco a guitarra do meu lado esquerdo, no chão -... e vou mostrar o que realmente é um Hellhound.

Me ergo, ajeito o chapéu.

- O Diabo agora está na sua cola - meu olhar se modifica, os olhos de um lobo. Tiro o chapéu e o jogo do meu lado direito, no chão.

Sinto as veias saltarem, a fúria tomar conta do meu corpo.

Ralf_the_Garo: 4D10 => [ 9 +7 +5 +5 ] = 26 #Glabos
Ralf_the_Garo: 4D10 => [ 5 +8 +4 +2 ] = 19 #Crinos

Eu estava no controle.

(Ale, se já puder atacar, me avise)






Oi, meu nome é isaac

"Kurayami nara kocchi no mon da"
"A escuridão é minha vantagem"
Zatoichi
avatar
isaac-sky
Guarda Real

Data de inscrição : 21/10/2011
Idade : 24
Localização : Entre Nárnia e a Terra Média
Emprego/lazer : Dominar o mundo/ RPG/ SKA

O que sou
Raça: Humano
Classe: Ninja

http://www.skyisaac.wordpress.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por Yoru em Dom Mar 15, 2015 6:07 pm

      Mas o quê!?, disse consigo mesmo, após a visão, quando enfim recuperava o controle de corpo e mente. Khepri deu um filho a Seth?!
      Que Seth era o mestre daquelas criaturas, todos naquele salão tinham certeza. No entanto, jamais teria reconhecido a falecida esposa do faraó debaixo daquele emaranhado de tiras de linho. Mas agora sabia seu nome e o que havia feito, essa era a essência da clarividência: conhecer o que não antes era sabido ou o que era duvidoso. Há um detalhe, porém, analisou enquanto as formas da mulher desmantelavam em montes de areia sobre Abuh e aos pés de sua cadeira. A visão veio dele, que estava verdadeiramente vivo um golpe atrás. Por que teria receptado aquilo, faltou-lhe tempo para pensar.
      — Droga! — praguejou, como se aquilo pudesse causar algum dano a ela. O que seria uma praga a uma criatura como ela, senão bem-vinda?
      Não era só por ser uma mulher entre eles, havia algo mais perturbador nela. Não só o fato de desfalecer em areias, ou o fato de voltar a forma. Provavelmente sua relação diretamente com Seth a tornava demasiadamente perigosa.
      Voltou um pulo atrás e preparou sua estocada. Isso deve segurá-la durante algum tempo, pensou, ao passo que mantinha o antebraço a frente do corpo, como uma defesa alta de um braço só; contudo, baixa demais, na altura do queixo. Em seguida deitou a face plana da espada sobre a região anterior ao punho. Com um pé direito posiconado em disparo, lá estava o vulpino em sua improvisada pose de lanceiro. Então pulou sem esperar que seu alvo se moventasse no assento. Trocando os passos na corrida ele trocou o lado do corpo, agora o esquerdo recuado e o direito adiante com a arma atirada numa torção de pulso que pôs a lâmina na perpendicular contra o tronco dela. Pretendia crava-la entre seus seios, costelas e pulmões até trespassar a madeira e estofado de encosto.
      Não posso matá-la, mas posso prendê-la aqui, julgou Vincent quase ao fim da investida, quando precisou, para tal façanha, finalizar empurrando o punho e levantando a junta do cotovelo. Como quem esgrime a ponta do sabre de cima para baixo, naquele caso, seguindo a curva leve, porém característica, da foice híbrida (Detreza 4 + Armas Brancas 3 = 7: Vincent: repeat 7 1D10 => 10 ; 2 ; 6 ; 8 ; 2 ; 3 ; 7 / Torna 10: Vincent: 1D10 => 3).

[Off: Aleeeee! Esqueceu de passar o dano dessa arma... pls >_<]
avatar
Yoru
Iniciante

Data de inscrição : 05/05/2012
Idade : 24
Localização : São Vicente
Emprego/lazer : Programador de Sistemas/Aspirações: Literatura, Arte e Games

O que sou
Raça: Humano
Classe: Ladino

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por Aleleeh em Sex Mar 20, 2015 4:15 pm

2014 - Dias atuais

Passaram-se alguns minutos desde que os processos se iniciaram. O grupo aguardava que o desempenho da máquina realmente fosse como o esperado. Alen não parava de monitorar temperatura, alcance e outros dados que um pequeno display apresentava.

Foi de um segundo para o outro, literalmente.


_________________________________

Nailah já estava decidindo voltar quando Denis encontrou uma trilha umbral ali mesmo, no Lago Ness:

- Aqui, gatinha. Parece que encontrei o que você queria.

Ela ignoraria o gracejo, mais uma vez:

- Legal. É uma rota segura?

- Sinceramente? Não. Nunca é - ele coça o cavanhaque - Mas, pelo menos lá nós não vamos tomar essa chuva que está chegando.

Realmente, o céu estava ficando cada vez mais escuro e sinistro. A tempestade que se aproximava não parecia comum.

Com algum esforço, Denis consegue harmonizar o ambiente e sua essência individual. Nailah também estava pronta, bastavam mergulhar no Lago.

Os dois saltam juntos mergulhando o corpo todo nas águas do Ness. Havia uma corrente logo ali, que puxava seus corpos cada vez mais rápido e com muita turbulência para um lago; mas era previsível: o caminho para a Umbra não costumava ser o mais fácil.

Também era uma questão de minutos para que chegassem do outro lado... seus corpos já cruzavam a fina película que os separava do mundo dos espíritos.

_______________________________________

A grande revelação - Seguidores de Seth

Pettri, envolto em fúria e gnose, consegue controlar o ataque do bracelete, disparando duas flechas ardentes como o sol do deserto, que varam o peito da sombra que era Amumniti.

O Sacerdote berra, mas ainda não estava vencido. A enorme poça de sangue no chão parece ter alguma influência mágica naquele lugar, visto que todos os inimigos tentavam, ocasionalmente, ficar em cima do sangue de Amumniti.

Mordekaisen já havia percebido: o sangue de Amumniti tinha propriedades e, enquanto não se livrassem da materialização sombria dele, não derrotariam nem uma mosca naquele salão sinistro.

Tomado novamente de fúria, ele correu mirando a cabeça do sacerdote. As patas de Mordekaisen brilhavam em um azul quase etéreo, tomando de surpresa Pettri.
Ele segura a cabeça sombria com as duas patas, torcendo o pescoço da forma escura até ouvir os estalos. A poça começa a se mover, voltando para a sombra, formando novamente o corpo de Amumniti ali.

Ralf, agora com as veias saltando e o coração batendo rápido demais para poder contar o compasso, arfava pelo esforço de crinar.
Vincent não percebera a movimentação do amigo, indo em direção de Khepri, visando prendê-la no banco. A lâmina dourada (+4 de dano agravado) perfura o peito do que um dia fora a esposa do faraó.
Aquele pedaço de memória de Abuh parecia ter sumido daquele lugar e se tornado pó, agora.

Ela grita como um monstro, as bandagens sujas que se moviam tornavam a cena ainda mais grotesca. Vincent sentia algo rompendo pela perfuração... talvez ainda estivesse com todos os ossos ali e, pouco a pouco, eles se partiriam causando enormes e sérias fraturas.
Talvez houvesse acertado os arcos da costela, e o barulho molhado podia ser de seus pulmões sentindo o gosto do ouro da lâmina.

Hawk e Scar continuam destruindo o corpo de Amumniti que jazia no chão, separando de vez a cabeça do corpo.

Mas nada daquilo era suficiente. Seu inimigo era de uma astúcia que vocês não conseguiam compreender ainda;

Kelsey se move, fincando a adaga no corpo de Amumniti, que começava a queimar. Parece que aquilo fazia efeito contra o corpo do Sacerdote. Ela se deixa sorrir de medo e satisfação.

Hawk ainda não havia se decidido se deixaria Hadhor viver ou não.




...



Mordekaisen cai no solo. O rim dele estava nas mãos de Amumniti que gargalhava diante do que havia conseguido fazer. Os outros que se moviam, já não atacavam mais: Mordekaisen havia arrancado a essência do segundo corpo através de um dos buracos que a flecha dourada de Pettri havia produzido.

Ralf, completamente absorto em seu lado animal, saltava sobre um corpo. O chapéu dançava ao lado da poça de sangue, manchando-o de carmin.

Darúngrita:

- NÃO!!

Era o fim de Amumniti... mas também o de Mordekaisen.

Ele cai no solo, batendo as costas. O desespero de Pettri era claro.

Os outros inimigos caem, fracos, revelando serem apenas ossos. A forma grotesca que era Khepri começa a regredir e o que resta é uma linda mulher, perfurada com a lâmina de Vincent.

_____________________________________________

2014 - A ajuda inesperada:

- Funcionou.

Liana mal consegue se conter:

- Ouí! Você conseguiu, Alen!

Os dados eram precisos:

Vértices detectados
Localização: Deserto do Saara
Rastros de calor: Sim
Detectado DNA 8633

Localização: Cairo, Egito
Rastros de calor: Sim
Detectado DNA 8733

Saltos no tempo: Confirmado
Variações temporais: 12
Ondas magnéticas: Sim.
Vértices: Revertendo em 5 segundos.

Modificações: 5
Nível de modificações: Drásticas


_______________________________________

Em volta de vocês, uma luz. Não a luz do sol, ou da lua; nem os raios que podiam ver na Umbra. Parecia uma luz artificial, incompreendida.

Amumniti já não respirava e o grupo continuava destruindo os corpos. O sangue já havia sumido, sugado novamente para o corpo outrora seco do Sacerdote.
Khepri sorria, morta. Seu belo corpo e rosto já não serviam a ninguém e por isso era livre.

Pettri, caído de joelhos, via o rosto de Mordekaisen demonstrar espanto. Com um enorme buraco e perdendo muito sangue. Parecia regredir de forma subitamente, já não conseguindo se recuperar do dano da mesma forma que se estivesse crinado:

- Filho... você fez o que era certo...

A confirmação veio em péssima hora.

A luz tomava pouco a pouco, tomando as bordas do Salão. Ela vinha de todos os lugares.

A matilha tinha apenas alguns segundos antes de se perder no tempo novamente... mas não podiam perceber isso, apenas contemplar o terror do que havia se tornado sua viagem no tempo.


"Dificuldades preparam pessoas comuns para destinos extraordinários." C. S. Lewis






Audrey / Elizabeth / Liesel /
Chamado
Aly
avatar
Aleleeh
Iniciante

Data de inscrição : 22/12/2012
Idade : 22
Localização : São Paulo - Caern de Sampa
Emprego/lazer : Pseudo-artista

O que sou
Raça: Humana
Classe: Bruxa

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por arcanjosna em Sex Mar 20, 2015 4:33 pm

- que eu não me arrependa disso Evelyn...

Falo com Hadhor... Ou será que era comigo mesmo?

Vou até mordekaisen, puxo seu corpo com a boca e o coloco sobre o meu.


´Os grandes pensadores nunca têm certeza do que dizem. Eu acho...´

avatar
arcanjosna
Guarda Real

Data de inscrição : 22/10/2011
Idade : 28
Localização : Jaboatão-PE... e eu achava paulista atrasado, ó kkk
Emprego/lazer : carteiro FORMADO

O que sou
Raça: Humano
Classe: Shinigami

http://www.cmfreak.net/forum/index.php?showuser=6533

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por ritter em Sex Mar 20, 2015 4:56 pm

- Não! - Urro, caindo de joelhos e segurando o corpo de Mordekaisen. - Pai, por favor, não! - Digo, enquanto esfrego o focinho contra o dele, os olhos começando a marejar.

Diversas memórias começam a surgir, mas a que parece mais viva é a dele surgindo após a morte de minha mãe.

Mãe... E agora que descobrira ter um pai, o perdi... E nunca mais conseguirei falar com ele...

Ainda segurando em meus braços, com o coração pesado e a mente sem rumo, elevo o rosto em direção aos céus.

E com o rosto levantado, eu uivo. Um uivo de dor e pesar, mais alto do que qualquer outro que havia feito. Um uivo desolado, daquele que mais uma vez estaria sozinho.

Um uivo que eu sabia que ele nunca ouviria.


" A juventude envelhece, a imaturidade é superada, a ignorância pode ser educada, a embriaguez passa... porém, a estupidez é eterna, Pettri."  Mordekaisen



avatar
ritter
Iniciante

Data de inscrição : 23/06/2014
Idade : 23
Localização : Brasil, São Paulo

O que sou
Raça: Humano
Classe: Plebeu

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por isaac-sky em Sex Mar 20, 2015 5:29 pm

Eu achei que poderia controlar a fera. Mas o monstro é forte e eu me vejo agindo como animal.

Sangue ensopa meu chapéu, a tragédia diante dos olhos de toda a minha matilha.

Olho a luz e ao mesmo tempo olho Pettri, desolado, diante do pai.

Seguro meu chapéu e minha guitarra caídos no chão.
"Essas manchas de sangue nunca sairão. Assim como as memórias de hoje"

Uivo juntamente de Pettri. Não conhecia Mordekaisen, mas sinto que a dor do Peregrino continuava a crescer. Sua solidão era perceptível.

- Hora de ir...

Não posso deixar de imaginar que falhamos hoje.



Oi, meu nome é isaac

"Kurayami nara kocchi no mon da"
"A escuridão é minha vantagem"
Zatoichi
avatar
isaac-sky
Guarda Real

Data de inscrição : 21/10/2011
Idade : 24
Localização : Entre Nárnia e a Terra Média
Emprego/lazer : Dominar o mundo/ RPG/ SKA

O que sou
Raça: Humano
Classe: Ninja

http://www.skyisaac.wordpress.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por Aleleeh em Ter Mar 24, 2015 7:54 pm

2014 - A ajuda inesperada:

A máquina começava a aquecer enquanto distorcia as ondas e mexia com a própria linha do tempo: Alen havia tido sucesso em alterar o vértice que se formara no Deserto;
Desde que o vértice apareceu, o Saara havia se tornado um lugar mais imprevisível do que era. Tempestades de Areia, chuvas de gelo e estranhos buracos no solo eram formados repentinamente. Se continuasse assim, pesquisadores iriam tentar a sorte no Deserto... e sabendo que havia um salto temporal envolvido, era completamente arriscado deixar que humanos comuns se envolvessem nessa questão.
Por sorte, não havia dado tempo de detectar essas anomalias... não apenas pela intervenção tecnológica de Alen, mas das intervenções místicas de quem seguia Gaia.

Stew havia sido incumbido de pesquisar o quanto pudesse sobre o universo Garou; agora, os dois compreendiam mais o que era pertencer ao maior grupo de metamorfos que cobriam a terra; até maior que os de Ratkins, embora eles não gostem de admitir.

Liana havia sonhado, dia após dia, com o gato; O mesmo que visitara Vincent no passado... talvez um espírito muito influente na Umbra tenha realizado essa comunicação. Xing havia notado as perturbações na Umbra e sabia que deveriam agir... os espíritos imundos balbuciavam que os Vampiros haviam feito uma merda memorável.

Mas esse era apenas um fragmento da história...

________________________________________

De volta para o Futuro - O dia em que a Matilha mudou a história:

A luz já tomava as estátuas, parecendo que, agora, se perdiam para sempre no universo. Alguns itens se dissolviam quando a luz os tocava.

Vincent larga a enorme lâmina dourada; não precisaria mais da arma para onde ia.

O uivo de Pettri toma o espaço... Ralf o acompanha, lembrando-se do discurso de Abhaá, quando se tornou parte da tribo dos Filhos de Gaia:

"Filho de Gaia, tu faz parte da linhagem ancestral. Ralf Lowell, que os espíritos digam seu nome por todos os locais do mundo. Que sua vitória seja a nossa e que a sua perda seja sentida e consolada por sua tribo. Que sua fama se propague por cada espécie. Que Gaia mantenha os olhos piedosos e te encha de seu calor quando estiver frio. Ralf Lowell, que seu uivo seja grande em solidão e encantador em conjunto."

Hawk deixa Hadhor no solo... seu rosto queimado deixa uma lágrima escorrer... e um estranho sorriso tomava-lhe o rosto. Apesar da imagem de Evelyn o atormentar, seus instintos lhe diziam para deixá-la ali, em seu próprio tempo... com sua própria dor.
Se aproximando de Mordekaisen, ele o apoia, já sabendo que Pettri não o largaria tão cedo... talvez, nunca.


Taiwo havia acabado de entrar no salão quando tudo aconteceu; agora, se aproximava de Darún. Chermont terminava de retirar uma pedra brilhante que ia em uma estátua pequena.

Kelsey podia sentir a adaga queimar ainda mais viva... ela era o próprio Saara. Chloe sentia o peso da tristeza e da morte... sua inocência havia sido abalada naquele local.

Scar aproxima-se da matilha. Já não podia dizer nada. O semblante cabisbaixo dizia tudo que precisava... o idioma simples dos lobos.

Mordekaisen ainda mantém os olhos abertos, porém, vagos. Ainda arfava violentamente e o sangue não deixava de escorrer.

Com a luz tão próxima da matilha, todos já sentiam que aquilo tudo estava por acabar.

Subitamente, Mordekaisen parece se espantar:

- O... o que?! - ele olha para frente - V-vocês...

Semelhantes à fumaça etérea encontrada na Umbra, um grupo de lobos os observa. Todos eles carregam consigo, um símbolo: Peregrinos Silenciosos.

Pettri sente o corpo arrepiar... pela primeira vez, via seus ancestrais. Seth não havia os amaldiçoado ainda.

Os espíritos dizem:

- Lobo negro... protegeremos sua memória... e sua existência. Não alterará o ciclo da vida. Neve sempre será sua... e, mesmo que nossos predecessores não nos vejam... nós ainda temos olhos e ouvidos.

A luz toma tudo completamente...

___________________________________________

O despertar:

Quando tudo se tornou luz, não havia nada para enxergar. Cada um despertava em seus próprios sonhos... memórias e experiências espirituais aconteciam a cada segundo.

Scar estava junto de Hawk. Os dois lutavam pela segunda vez em dupla, o sangue voando para diversas direções distintas. Era difícil controlar o monstro que vivia dentro deles.

De alguma maneira, havia uma identificação entre o Filho de Gaia e o Presas de Prata: os dois haviam conhecido seu lado Garou ao presenciar situações de tensão relacionadas às mulheres.
Os dois lutavam lado a lado, no sonho. Depois, corriam por um descampado, na forma lupina que nasceram.
Então, no final da corrida, viam as suas meninas... o motivo por lutarem... e o motivo para tentarem esquecer ou lembrar-se de algo. Por algum motivo - e mesmo distantes - elas continuavam a pautar suas ações.

Scar havia se compadecido de Katy... e Hawk havia salvo a mulher, apesar de machucá-la, no incidente do apartamento. Katy havia contado aos dois de Banjoko... um garou africano. Era por isso que haviam viajado...
Mas, no passado, elas pareciam ainda atormentá-los.

Agora, o passado havia sido deixado para trás e o futuro era uma nova caminhada... e uma viagem de autoconhecimento.

__________

Vincent podia ver seu kensei. Estavam meditando, mais uma vez.
Dessa vez, havia conseguido afastar os pensamentos confusos em relação à mãe... quando mais jovem, era difícil fazê-lo. Mas agora, não. O Kitsune se orgulhava de sua vitória pessoal.

De repente, um miado.

Com certa relutância, se deixou abrir os olhos.

Kensei parecia não ter percebido nada... continuava em posição de Buda, e seu semblante sério e concentrado era como um lago sem vento para interferir em sua inércia.

O gato começa a caminhar, fitando Vincent. Então, ele fala:

- O seu povo... também sofrerá.

__________

Ralf agora estava sentado em um enorme sofá. O estofado era macio e sua guitarra estava pendurada, logo em frente. Olhando melhor, haviam várias flechas grudadas na parede, também.

Walter estava sentado também, mexendo um papel um pouco velho:

- Você acreditaria se eu te dissesse que...

Por algum motivo, ele havia se calado.

__________

Kelsey estava sentada, sozinha. O deserto era solitário. Sua adaga estava na sua mão e um leve brilho emanava dela.

Seu pai parecia muito longe, agora:

- Kelsey... se você não tentar, sempre terá medo. Os Uktenas são amigos do mistério... não fuja dele.

Um suspiro... e a adaga esfria.
__________

Chloe ouvia uma música muito harmônica vir de dentro da cabana. Com sua forma lupina, adentrava calmamente o local. Lá dentro, podia sentir a presença de Gaia encher o local e a música fluir.

No centro de tudo, havia um Garou de pele negra:

- Chloe... fuja!

__________

Pettri podia ver Mordekaisen, mas não podia tocá-lo. De repente, vários iguais a Mordekaisen aparecem... e a floresta parece sair da areia. Todos os Mordekaisens começam a falar:

Quando eu recordar sobre todos esses anos, eu vejo muitas coisas. Vida e morte
Mantidos juntos como as montanhas e vales em que vivemos. Houve
Riqueza e opulência, mas também houve tribulação e perda. Houve risos e música e lá estavam também as lágrimas.

Mas ainda mais do que lágrimas, o sangue foi derramado. E tantos foram deixados à suas sepulturas sem adornos, desenterrados. Mas, para nós, a morte era apenas uma outra viagem. E perto da escuridão através do qual caminhamos, também houve luz. A luz da vida e da imortalidade.

E depois de tudo, quando eu recordar sobre esses anos, principalmente eu lembro de nossos
Cânticos. Nós cantamos ... Como se para abafar o som das batidas das espadas, como se
Os gritos de guerra se calassem ... Porque a guerra tinha perdido o seu significado.

Quando eu me lembro de todos estes anos de tribulação, eu lembro principalmente de
Nossas canções. Nós morremos, e nosso sangue escoou fora nos campos de batalha, mas as nossas
Canções sobreviveram, junto com aqueles de nós que retornaram. E como eles também morrerão um dia, nossas canções viverão, e serão cantadas por nossos filhos,
E por filhos de nossos filhos. É assim que nós seremos lembrados. É assim que nós éramos.


____________________________________________________________

A areia quente já podia ser sentida. O vento, primeiro, era violento... e depois, calmo...

Vocês estavam de volta ao Deserto do Saara; melhor dizendo, estavam de volta ao seu tempo original.
O nariz não sangrava mais. Porém, os machucados feitos no passado prosseguiam. O corpo de Mordekaisen havia voltado ao seu tempo, e agora tinha um semblante sereno:

- Branca como a neve...


Suas últimas palavras eram essas.

Taiwo olhava onde ficava a pirâmide:

- Ela... desapareceu! Simplesmente desapareceu!!!!

Todos se entreolham... talvez tivessem alterado mais do que deveriam.

_______________________________________________________________

Parabéns, pessoal! Chegamos ao final de mais um capítulo e ele termina com uma grande incógnita.
Sugiro que leiam atentamente os posts finais do Primeiro Capítulo e, em seguida, o começo e final desse Segundo.

Logo mais teremos uma continuação.

Pensei muitas vezes em desistir de mestrar, mas agradeço pelo apoio de todos nos momentos em que fraquejei. Nesse capítulo consegui usar tantas personagens que até pareceu uma história ainda mais profunda, fiquei bastante contente com esse pequeno resultado.

Os parabenizo novamente e agradeço a paciência. Aguardem pelo lançamento dos pontos de experiência e até breve!


"Dificuldades preparam pessoas comuns para destinos extraordinários." C. S. Lewis






Audrey / Elizabeth / Liesel /
Chamado
Aly
avatar
Aleleeh
Iniciante

Data de inscrição : 22/12/2012
Idade : 22
Localização : São Paulo - Caern de Sampa
Emprego/lazer : Pseudo-artista

O que sou
Raça: Humana
Classe: Bruxa

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A luta por Gaia - África

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 19 de 19 Anterior  1 ... 11 ... 17, 18, 19

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum